Proteção Familiar: uma estratégia financeira consolidada no mundo, vem ganhando espaço no orçamento do brasileiro.

unicred integração

28 de janeiro de 2022
O orçamento do brasileiro vem dando espaço para um importante “despesa ou investimento” culturalmente ignorado, mas muito necessário para as pessoas, em especial aquelas que ainda não constituíram poupança suficiente para enfrentar possíveis riscos, como de uma morte prematura ou uma impossibilidade de gerar renda.

Os seguros de vida, que servem para dar proteção às pessoas ou à família nos momentos de intempéries, é algo muito disseminado nos países desenvolvidos, mas ainda pouco utilizado no Brasil.

Segundo um estudo da Seguradora Swiss Re, em países desenvolvidos como os EUA os prêmios dos seguros de vida somam 9,5% do PIB e no Brasil, apenas 1,4%. Nos EUA 70% das pessoas têm seguro de vida, enquanto no Brasil é de apenas 15%, de acordo com uma reportagem feita pela CNN. Um estudo realizado pela Universidade de Oxford nos mostra que o Brasil é um dos países que tem o menor número de pessoas asseguradas por serviços que garantem estabilidade financeira. Entre os entrevistados, apenas 19% possuem seguro de vida, enquanto a média global é de 32%.

No Japão, os seguros começaram a ganhar atenção no fim do século 19 é o que diz o estudo The Life Insurance Association of Japan de 2014. A entidade destacou que eventos como guerras, desastres naturais e doenças mostravam a importância de manter a família protegida financeiramente contra imprevistos. Atualmente a contratação de seguro de vida chega a 90% da população japonesa.

Com a chegada da pandemia e as reflexões sobre segurança, trabalho, renda e instabilidade econômica, houve uma evolução do pensamento preventivo e segundo dados da SUSEP, órgão que regulamenta o setor de seguros e previdência aberta, os seguros de vida registraram crescimento de 17,3% no acumulado até novembro de 2021, em relação ao mesmo período de 2020.

A necessidade de proteção vai mudando a cada fase de vida e esse instrumento de proteção, que assegura rendas ou pecúlios, é bastante amplo podendo atender a várias necessidades.
Os planos de previdência administrados pela Quanta, possuem esse mecanismo de seguros, que são chamados de coberturas para proteção familiar, justamente para ajudar o participante que está constituindo uma reserva de longo prazo a ter uma proteção completa desde o início do planejamento, assim, enquanto forma uma reserva, pode contratar uma cobertura que dê uma garantia imediata, complementando as rendas de aposentadoria por invalidez ou pensão por morte.

A Quanta, percebeu em 2021 uma sensível mudança no comportamento dos seus participantes, que motivados pela insegurança da pandemia ou pela evolução do seu processo de educação financeira, ampliaram suas coberturas de forma significativa. Somente em 2021, houve aumento de 64% nas contratações de coberturas para proteção familiar resultando em mais de 20 mil novas vidas protegidas.

As coberturas de fato, conseguem impactar muito um planejamento de longo prazo, por exemplo, uma pessoa que aos 30 anos, deseja formar um saldo de R$ 1 milhão para previdência, se desejar dar uma cobertura de proteção familiar imediata, consegue adquirir um capital segurado deste mesmo valor, ou seja, de R$ 1 milhão, com uma contribuição mensal de apenas R$ 151,00.

Dentro da previdência, o seguro ou as coberturas de proteção familiar como chamamos aqui na Quanta, possuem muitas vantagens, como por exemplo, um custo menor que um convencional, a possibilidade de dedução de seguro das contribuições na base de cálculo de imposto de renda e a conversão do capital segurado em renda, preservando uma receita estável a pessoa (no caso de invalidez) ou a sua família (no caso de morte prematura).

Atualmente 54%  dos planos de previdência de adultos, administrados pela Quanta, já possuem algum tipo e nível de cobertura de proteção familiar com coberturas totais acima de R$ 56 bilhões.

Construir presentes e futuros seguros é o nosso propósito, por isso buscamos trazer essa reflexão de proteção familiar e liberdade financeira na longevidade de forma ampla e irrestrita. Compartilhar esse crescimento da contratação de coberturas não é um êxito comercial e sim a concretização de um propósito que vai impactando e protegendo a cada ano mais pessoas e famílias.

Denise Maidanchen
Diretora de Desenvolvimento e Investimentos da Quanta Previdência

Fonte: Blog Quanta Previdência 

Voltar